quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Fundação promove dia de Jogos e Brincadeiras com crianças e familiares


Em agosto, aconteceu o Festival de Jogos e Brincadeiras, que reuniu 150 pessoas, entre crianças beneficiadas pelo Programa Ipê-Amarelo (de 4 a 10 anos) e seus familiares. Promovido pelo Centro de Educação pelo Esporte, as atividades foram direcionadas por educadores da organização além de oito jovens universitários que fazem parte do projeto “Comunidade em Movimento” e são egressos do curso Jovens Monitores em Esporte da Fundação Julita.

Segundo Carlos Costa, consultor do Centro de Educação pelo Esporte, o evento teve a intenção de fortalecer os vínculos familiares e comunitários e apresentar a Julita como espaço de garantia do direito ao acesso ao esporte, recreação e lazer.

Brincadeiras tradicionais e jogos cooperativos

As famílias foram recebidas com um café da manhã e, em seguida, já iniciaram as brincadeiras, divididas em quatro estações: “Brincando de Circo”, “Brincadeiras Tradicionais”, “Pega-pegas” e “Jogos Cooperativos”.

Na “Estação Circo”, as crianças e suas famílias puderam experimentar atividades de equilibrismos, perna de pau, pé de lata, slackline (“corda bamba”), desafios de pirâmide humana, pratos de equilíbrio, acrobacias e malabarismos.

Outro destaque foram as brincadeiras tradicionais, cada vez mais raras pelo estilo de vida das grandes cidades. As famílias e as crianças brincaram de pular elástico, bola de sabão, bolinhas de gude, amarelinha e cabo de guerra.

Um dos valores promovidos pelas atividades de esporte e lazer na Julita é a cooperação. Neste sentido, a “Estação Jogos Cooperativos” promoveu uma reflexão acerca da cooperação para atingir objetivos coletivos, a partir da vivência dos jogos cooperativos “Travessia” e do “Bambolê.

Após as brincadeiras, as famílias almoçaram na Fundação.

Circo esteve entre os preferidos

No fim das atividades, foi realizada uma avaliação lúdica (com “emoticons”) para que as crianças pudessem ter voz a respeito das atividades desenvolvidas. A atividade mais votada como “boa” foi o Circo e entre as “mais alegres” ganharam pega-pega e jogos cooperativos.

“Foi um dia de muita diversão, afeto, construção e fortalecimento de vínculos. Ao finalizar as atividades foi reiterada a importância de garantir essa convivência familiar e nos colocamos como parceiros das famílias neste processo”, conclui Carlos Costa.

Veja as fotos do evento: https://tinyurl.com/FestivalJogoseBrincadeiras 
Créditos fotos: Julia Ferreira / Oudosclick 



Encontro busca fortalecer vínculos familiares dos idosos


No dia 24 de agosto foi realizado mais um Encontro de Famílias do Programa Araucária (Núcleo de Convivência do Idoso). Desde maio deste ano, os encontros socioeducativos acontecem com a presença de familiares e amigos dos idosos beneficiados pelo Programa.


Os encontros têm caráter formativo sobre os direitos relacionados ao idoso e também aborda assuntos de interesse dos mesmos.  Segundo Camila Barros, assistente social do Programa, o objetivo, além da formação, é propiciar momentos com a família: “Queremos fortalecer e criar vínculos para que a família participe ativamente e esteja presente na vida dos idosos”, completa.



Os encontros acontecem mensalmente e têm tido adesão dos familiares. No último encontro estavam presentes cerca de 80 pessoas. Nos anteriores já foram discutidos assuntos relacionados à saúde, com a participação da nossa equipe de nutrição e também sobre o Cadastro Único (CadÚnico). Desta vez foi falado sobre os programas e benefícios da assistência social para quem já tem este benefício.


O que é o CadÚnico?

O Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico) é um instrumento de coleta de dados e informações com o objetivo de identificar todas as famílias de baixa renda existentes no País. Devem ser cadastradas as famílias com renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa. Para fazer o cadastro, basta comparecer ao CRAS (Centro de Referência da Assistência Social) de sua referência. 






terça-feira, 7 de agosto de 2018

Programa Paineira forma 108 jovens no primeiro semestre de 2018


Educandos fizeram atividade prática durante a Festa Junina da Julita como Trabalho de Conclusão de Curso


Lino Bernardo tem 15 anos e participar do Programa Paineira foi decisivo em sua vida: “Neste semestre eu fiz algo que eu gosto, que é a gastronomia e foi, simplesmente, mágico! Pretendo fazer faculdade de gastronomia, agora me sinto preparado para seguir rumo à universidade”. Ele é um dos 108 jovens formados pelo Programa neste semestre.

Grupo do Lino Bernardo apresentando o TCC

No último dia 11 de julho, aconteceram as apresentações dos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs) dos jovens do curso “Gestão de Alimentos”, do Programa Paineira.

Os educandos apresentaram as empresas alimentícias criadas no curso. Como parte do TCC, eles produziram a maioria das comidas que foram vendidas nas barracas da Festa Junina da Julita 2018, que recebeu 10 mil pessoas. As barracas estavam ambientadas com a identidade visual de cada “empresa fictícia”. Clique e confira como foi o arraiá.

No TCC, os formandos explicaram o funcionamento das empresas, nas quais existiam equipes com cargos e tarefas. As estratégias de marketing e as pesquisas de mercado também foram apresentadas. Além disso, dicas de como tratar os clientes, a prática do trabalho em equipe e a mediação de conflitos compuseram os trabalhos e ajudaram no desenvolvimento profissional e pessoal dos educandos.


Conheças as empresas criadas

Império do Dog = empresa de cachorro quente
Rancho das Tortas = empresa de tortas salgadas
Natureza Doce = empresa de mousse de maracujá e espeto de frutas com chocolate
Super Natural = empresa de sanduíche natural
Bolos Confeitados = empresa de bolos recheados
Bolos Simples – empresa de bolos diversos


O impacto na vida dos jovens!

O curso de Gestão de Alimentos foi maravilhoso! Eu já tinha vontade de trabalhar com a confeitaria. No dia da Festa Junina eu fiquei na produção e consegui ter uma experiência a mais”. Gabriela Lima, 16 anos.
.
O curso é muito mais que produção de alimentos, por causa das aulas de educomunicação, protagonismo juvenil e as palestras. O curso em si foi muito importante para mim. Eu pretendo fazer relações internacionais e, aqui na Julita, nós conseguimos expressar nossas opiniões e, infelizmente, esses espaços para diálogo não acontecem na escola”. Yasmin Chaves, 17 anos