segunda-feira, 4 de junho de 2018

Fundação recebe roda capoeira e exposição de manifestações culturais afro-brasileiras


No último dia 11 de maio, a Fundação Julita recebeu uma roda de conversa sobre a história da capoeira e vivência, com o grupo Irmãos Guerreiros.



Os jovens e crianças da Fundação conheceram a origem ancestral da capoeira, dicas e participaram de uma vivência prática.


Outra atração foi a exposiçãoFragmentos estéticos Afro-Brasileiros: racismo e religiosidade”, que aconteceu na biblioteca da Fundação Julita durante todo o mês de maio (em reflexão ao 13 de Maio), na qual os visitantes tiveram contato com objetos, vestimentas, crenças e cultura africana.



Com o objetivo de resgatar a ancestralidade, a exposição foi um momento único de contato com a cultura africana na tentativa de romper tabus e preconceitos.









Fundação Julita reflete o dia 13 de maio

O que significa o 13 de maio para você?

Dentro desse questionamento e entendendo a importância de debater a data, a Fundação Julita realizou uma série de atividades educativas e culturais.
Entre elas, a palestra “História do racismo e seus desdobramentos”, clique para conferir; 
a palestra “Fala sobre as religiões de matriz africana e sua importância na resistência cultural”, clique para conferir; o debate “Pé no terreiro: pesquisa sobre a presença negra na zona sul”, clique para conferir; o Cine Julita, que debateu o documentário “Quem te Penteia”, clique para conferir. 

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Websérie “Pé no Terreiro” faz pesquisa sobre os terreiros na zonal sul


No último dia 10 de maio, a Fundação Julita recebeu o Coletivo Cine Becos, que fez uma apresentação do projeto “Pé no Terreiro – pesquisa sobre a presença negra na zona sul”, em formato de websérie.


Com o objetivo de fazer um resgate dos ancestrais afro-brasileiros, questionando quem ajudou a construir a cidade de São Paulo, o Pé no Terreiro fez uma investigação para dar visibilidade positiva aos terreiros de candomblé e umbanda, na periferia na zonal sul. Com isso, buscou mostrar uma nova narrativa periférica, diferente da violência mostrada em programas sensacionalistas de televisão.

Quebrando preconceitos


Muitos terreiros estão instalados em casas simples e sem identificação, como uma forma de proteção contra a intolerância religiosa.

A websérie apresenta lideranças religiosas e terreiros, explicando que são espaços de saúde espiritual, lugares de acolhimento de lideranças comunitárias, de reconexão com a ancestralidade e reconstrução da imagem do povo negro com o seu território.

A websérie também contextualizou que o primeiro pé no terreiro foi a senzala e que a periferia é a extensão da senzala.


Além disso, durante a palestra, outros espaços que têm origens africanas foram apresentados. Lugares que foram “maquiados” pela política de higienização, que imperou com o fim do tráfico de negros escravizados.

São Paulo era um território negro, foi a política de higienização que apagou a real história. Prova disso é que o bairro da Liberdade, conhecido como bairro japonês, era na verdade um bairro de negros, que concentrava tortura e mortes para os negros na época da escravidão. Além disso, o bairro do Bixiga, a igreja do Largo 13 de Maio são outros exemplos de lugares que eram dos negros, mas, infelizmente, atualmente poucas pessoas conhecem essas origens”, explica Luciana Dias, pesquisadora do “Pé no Terreiro”.


A consciência da gratidão

Jovens do Programa Paineira da Fundação Julita (14 a 17 anos) participaram da palestra, muitos tiveram contato pela primeira vez com o tema e tiraram dúvidas, interagiram com os palestrantes, Luciana Dias e Rogério Pixote.

Luciana é ex-aluna da Fundação Julita:

Estou voltando aqui depois de muitos anos, apesar de ter vindo em alguns eventos como a feijoada, para mim é muito legal! Estou revivendo o passado, me enxergando nos jovens que estão aqui hoje, porque eu já passei por esse processo. Para mim, esse é um momento de partilha de conhecimento, devolver na fonte os conhecimentos que eu fui adquirindo ao longo do tempo. Sinto como uma volta às origens, estou muito feliz!” finaliza a ex-educanda da Fundação.



Fundação Julita reflete o dia 13 de maio

O que significa o 13 de maio para você?

Dentro desse questionamento e entendendo a importância de debater a data, a Fundação Julita realizou uma serie de atividades educativas e culturais.
Entre elas, o debate “História do racismo e seus desdobramentos”, clique para conferir;
Palestra “Fala sobre as religiões de matriz africana e sua importância na resistência cultural”, clique para conferir,
Cine Julita debateu o documentário “Quem te Penteia”, clique para conferir; Roda de conversa sobre a história da capoeira e vivência clique para conferir e “Exposição Fragmentos estéticos: Afro-brasileiros racismo e religiosidade”, clique para conferir.