segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Por que os brasileiros não doam?

Em países como Estados Unidos, as doações para organizações da sociedade civil são comuns, fazem parte da cultura. No Brasil, é diferente! Os brasileiros não têm o hábito de realizar doações financeiras e, quando fazem, em grande parte estão vinculadas a uma causa religiosa. Entretanto, a cultura de doação é um dos elementos fundamentais para a construção de uma sociedade participativa, que pode contribuir com propostas efetivas complementares a políticas públicas, sobretudo em causas em que o governo não dá conta, como educação e garantia de direitos das populações mais pobres.
O curioso é que muitos países com PIB (Produto Interno Bruto) mais baixo que o Brasil ocupam posições mais elevadas na pesquisa que originou o ranking World Giving Index, como é o caso de Myanmar (país do sul da Ásia). Este país possui território e recursos menores que o Brasil e é considerado o país mais solidário do mundo.
Apesar de o brasileiro ser considerado um povo solidário, acolhedor e hospitaleiro e com grande potencial para a solidariedade, o Brasil marca um índice baixo de generosidade na pesquisa World Giving Index. Especialistas acreditam que o motivo que afeta diretamente estes resultados são as questões políticas, econômicas e sociais que o país enfrenta. pesquisa aponta que mais de 65% dos brasileiros adultos gostariam de se engajar mais em causas sociais e serem mais participativos no cotidiano da transformação positiva que nossa sociedade anseia. Entretanto, de acordo com os entrevistados, a questão financeira, a falta de tempo e o fato de não serem abordados por nenhuma organização são as respostas que os mesmos não estão efetivamente engajados em causas sociais. 

Acesse a pesquisa completa (em inglês) AQUI  


segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Receitas de Produtos de Limpeza

O Centro de Educação Ambiental realizou uma oficina de produtos de limpeza ecológicos com nossos idosos. O objetivo da atividade foi refletir sobre os produtos de limpeza que impactam o meio ambiente e a saúde e propor mudanças de hábitos de baixo custo.

Compartilhamos as receitas que foram realizadas na oficina!




REPELENTE NATURAL
Quantidade:
·      300ml de alcool de cereais ou óleo de amendoa
·      10 g de cravo da india
·      1 borrifador de plástico para aplicar ou um frasco com tampa de para armazenar.
Passo a Passo:
Coloque 10g de cravos da índia no fundo do frasco ou do borrifador acrescente 300ml de álcool de cereais ou óleo de amendoa.  Espere  15 dias para curtição dos cravos até o álcool ficar marrom com o frasco tampado.
E agite toda vez antes de usar.
DICA: Dá pra fazer um repelente para a casa com alcool comum, segue a mesma receita e passos, o que muda é o tipo de alcool.

LIMPEZA DE PELE
·      Use vinagre de maçã e aplique com algodão ou um tecido, enxague com água ao acordar.

ANTITRANSPIRANTE
·      Sugestão de uso: hidróxido e magnésio PHILIPS

SOLUÇÃO DE DESINFETANTE SANITÁRIO
Quantidade:
·      5 colheres de sopa de bicarbonato de sodio
·      250ml de vinagre
·      1 Litro de água FERVENTE
·      2 frutas para o Suco de limão ou laranja (opcional para perfumar)
Passo a Passo:
·      Misture em um balde a água fervente e o vinagre e acrescente 4 colheres de sopa de bicarbonato de sódio e o suco de limão ou laranja e mexa tudo. É só aplicar.
DICA: Para perfumar a casa, fazer um chá de arruda ou cravo e passar a mistura no chão, ou deixar o vapor se espalhar pela casa.

DESENTUPIDOR DE PIA
Quantidade:
·      2 colheres de sopa de bicarbonato de sódio
·      50 mL xícara de vinagre
·      500 ml de água FERVENTE
Passo a Passo:
·      Em um balde misture a água fervente com o vinagre e bicarbonato de sódio e aplique em seguida na pia. Este produto é para ser usado de imediato no local ele não terá funcionalidade se for armazenado.
Dicas de limpeza pesada:
·      Use vinagre com bicarbonato de sódio na lavagem de louça com muita gordura
·      Deixe ferramentas e peças de metal enferrujadas de molho por 24hs em vinagre e bicarbonato de sódio
·      Para limpar a privada, use a mistura de vinagre e bicarbonato e deixe agir.

IMPORTANTE: JAMAIS MISTURE O VINAGRE E O BICARBONATO COM CLORO OU CÂNDIDA – é altamente tóxico

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Entre gerações e afetos

Encontros intergeracionais (entre gerações diferentes) têm sido uma proposta cada vez mais presente na nossa rotina. Esses momentos são riquíssimos, pois possibilitam a troca de experiências e de afeto. Também permitem um olhar mais respeitoso para quem é diferente da gente, fortalece os vínculos!
O último encontro foi realizado entre idosos beneficiados pela organização e crianças de 8 a 10 anos, que participam do Centro para Crianças e Adolescentes da Julita. Foi uma tarde muito especial! As crianças contaram a história do Maracatu na Fundação Julita; como surgiu, como são realizados os ensaios e cortejos. Outra convidada para falar e compartilhar suas experiências com os idosos foi a Inês, a porta estandarte oficial da Nação Julita – grupo de Maracatu da Fundação. Emocionadaela relatou sobre o privilégio que tem em estar em todos os cortejos segurando o símbolo importantíssimo para nosso maracatu, que é o estandarte

Ao final, ela ainda fez o convite para que os idosos participem dos próximos cortejos. Pelo menos duas vezes ao ano, durante as festas juninas e os encontros culturais da Fundação, o cortejo de maracatu sai pela comunidade, preservando nossas heranças culturais e tradição.
Depois da roda, os idosos foram conduzidos para vivenciar os toques do Maracatu e experimentar os adereços, como turbantes e colares, que são usados pelas crianças nos momentos de apresentação. Confira o registro desse lindo encontro >











quinta-feira, 19 de setembro de 2019

História de Transformação: Luiza Makele

Luiza Makele tem cinco filhos e quatro deles são beneficiados pelos nossos projetos sociais.
Ela conta, com muito carinho, a importância que a Fundação Julita tem para a sua família
no nosso quadro "História de transformação":



 “Tenho cinco filhos, quatro deles estão na Fundação. Estou há 4 anos no Brasil, viemos da Angola (África) para garantir a sobrevivência da família por conta das coisas que aconteciam por lá. Meus quatro filhos estão no CCA e, agora, meu filho, de 12 anos, também começou o inglês aqui aos sábados.
Todos gostam muito de vir pra cá, eles querem vir mesmo quando estão doentes. Agora pra ir pra escola já fazem manha! Eles gostam da Fundação porque não são de brincar e nem de falar muito e qualquer lugar ficam muito tímidos. Aqui, eles estão aprendendo a se comunicar bem com os outros, a se desenvolverem bem, a aprender com tudo. Quando eles chegam em casa, contam tudo que aprenderam na Fundação.
Os educadores da Fundação cuidam muito bem das crianças, cuidam de cada um igual ao outro; isso faz com que eles fiquem felizes e se sintam acolhidos (à vontade). Além das crianças, os educadores e funcionários escutam os pais também. Eu já comecei curso aqui (quero retomar meu trabalho), de Gestão para o Comércio, mas tive que parar por conta do bebê. Quero voltar no próximo ano!”

Luiza Makele, 33 anos